Espero por ti no lugar de sempre


Brinde à loucura....
próxima como o sopro de um felino
o limite suportável da dor, onde fica?
que visões são estas dos anjos da noite
ronronando baixinho,
acariciando-me as dobras dos lençóis...
não vivi a guerra mas vi os corpos tombarem,
danço....aí vive a alegria plena, de memória.
Desde o dia em que partiste que habitas
a parte de dentro das minhas pálpebras;
a tua ausência é o conflito entre essa força bravia,
poderosa voz de uma tristeza voraz,
e a jaula, nessas vísceras fechadas,
onde me encontro.
--
Deixar ir...
--
sabes, quero dizer-te
tu que morres em mim como uma pele nova
outra madrugada e um copo entornado no tapete
o meu alcóol, ás vezes, tem sangue.
--
joana dias antunes

3 comentários:

Luisa disse...

às vezes só bebendo mesmo para esquecer a dor de uma perda...

onzepalavras.com disse...

Arrebatador

EDUARDO POISL disse...

Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba.
Não ame por admiração,
pois um dia você se decepciona.
Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação.
Madre Teresa de Calcutá

Desejo uma linda semana com muito amor e carinho.
Abraços