ainda um outro poema dos dons












tal como tu, jorge luis borges,
graças quero dar ao insondável
labirinto dos efeitos e das causas,
pelo cosmos infinito, espaço
vazio onde brilham galáxias,
pela luz, que é ao mesmo tempo
onda, partícula e sete cores
através de um prisma,
pela vida, esse acaso fabuloso,
pela evolução das espécies, trama
subtil que une bactérias, leopardos,
acácias, fungos e homens,
pelas noites antigas em que as estrelas
pareciam grandes fogueiras acesas no céu,
por atenas, em cujas ruas nasceu a
democracia e o pensamento,
por eratóstenes, que calculou a dimensão
da terra, medindo sombras,
pela inteligência, a mais eficaz de todas
as armas e também a mais traiçoeira,
por heraclito, frente ao rio eterno
que nunca se repete,
pelo negro basalto e a brancura da neve,
pela beleza de um corpo nu,
pelo trigo, o alabastro e a cidra,
pelos gestos heróicos que mudam o
frágil rumo da história,
por galileu,
de luneta apontada aos astros,
lendo a matemática com que se
escreve o livro do universo,
pela utopia, esse lugar impossível
mas absolutamente necessário,
por certa noite de 1993,
pela melancolia, doce forma de tristeza,
por tudo o que foi dito mas ficou por escrever,
pela torre de babel, esse prodígio que Deus não permitiu,
pela música de bach,
precisa, perene, perfeita como um cristal,
pelas madrugadas em paris, à beira do sena,
pelo amor, luminosa e indizível
união entre dois seres,
pelos albatrozes que pairam sobre falésias,
pelo mediterrâneo, o vinho e o mel,
pela alegria de estar entre amigos
ouvindo schubert e lendo poesia,
pelo cinema, lugar escuro onde o
mundo pode ser reinventado,
pelos poentes de turner e os gelos de friedrich,
por james joyce, hábil construtor de
uma dublin feita de palavras,
por signac e a sua auxerre pontilhista,
pelo génio de alekhine,
sacrificando dama e torre num jogo às cegas,
pelo sonho de marx, que acreditou num
homem novo e melhor,
pelo sabor dos alperces no verão,
por hector hugh munro, que escrevia com
elegância e era subtil como um gato persa,
pelos 4 minutos e 33 segundos
de john cage,
pela liberdade, último reduto do indivíduo,
pelo grand canyon, que nos reduz
a quase nada,
pelas iluminuras medievais,
com anjos dentro das letras góticas,
pela paciência que esmorece com o
passar dos anos,
pelos jornais, o cheiro da tinta e
o estrépito das rotativas,
pela geometria de riemann,
com que einstein imaginou o espaço-tempo,
pela inocência das crianças e a imagem
serena de um bebé dormindo,
pela noite em que vi uma lua vermelha
sobre o báltico,
pela escrita, caminho árduo mas exaltante,
pelo poema de que este é espelho,
por todos os dons que também calaste,
por ti, borges, poeta cego como milton e homero,
minotauro perdido num labirinto de versos.



josé mário silva
in 'nuvens & labirintos, gótica

3 comentários:

Graça Pires disse...

Belíssimo o poema de José Mario Silva. "Nuvens & labirintos" é um belo livro que existe na minha estante de poesia.

Paradoxos disse...

não conhecia este, obrigado

abraços

RESSACA disse...

Aqui nasceu o Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...