animal




















és obediente
um animal
à deriva
aceitas ordens
por sistema
conheces o sabor dos dias
o teu dia-
-a-dia
adia
adias
adias a vida
até a morte fazer casaco
com a tua pele animal
hoje é mais um dia
e este dia igual
é batido feito
com um pouco do que pode ser
muito do que tem que ser
e quase nada do que imaginaste
mas a vida é o que é
dizes tu
animal
a vida não é imaginação
dizes tu
animal
a vida é luta
é trabalho
é obrigação
é servilismo
é dor
e tu és um animal
e os animais obedecem
à sua natureza
por isso é que tu és um animal
ainda que imagines outra coisa
porque o que importa não é o que imaginas
é o que fazes é o que és
e tu obedeces
animal

Diogo Vaz Pinto
in criatura

1 comentário:

Beatriz disse...

bonito poema!