teatro

(...)
Querida mulher, encontro-me em harmónio
com a luz a tocar o coração da mãe que lhe
dá o pai. O meu pai ardeu, e a luz nasce doadora
da respiração. Mais uma vez é a luz a meditar na
água. Tu és livre. Disse a água. E tu és eu. Disse
a mãe. Para nascer o pai. A luz e a água transformaram-se
em pão. Esposa o pão.
(...)

[antónio poppe]

2 comentários:

Texto-Al disse...

isto é q é o post-surpresa?

:(

T.

van disse...

não. e não era aqui. :P