Uma micronarrativa do espanhol Rafael Camarasa

A mana e eu:


Olha, olha!

O quê?

O Rafael Camarasa lançou um novo livro!

Onde?

Em Espanha!

Sim...mas onde viste isso?

No blogue dele!



E de facto era verdade, um dos nossos autores preferidos, o valenciano Rafael Camarasa voltou a editar um livro, desta feita Feos, uma compilação de micronarrativas.

Armado em editor cibernético, traduzi um dos microrelatos que compõem o livro. Dedico ao Luís Ene, aquele que é, para mim, o melhor da especialidade em Portugal.


A MEIO


O meu tio tinha um olho de vidro. Pelo final do ano, aquando das celebrações, eu me questionava se apenas veria a família pela metade, uma parte do peru, meia televisão e uma das mamas de sua mulher, grandes como globos terrestres. No seu velório, e apesar dos meus dez anos, a minha mãe obrigou-me a beijar o cadáver. Tinha o olho de vidro fechado, e o outro, em consonância com o que havia sido a sua vida, levemente aberto.

Durante muito tempo, quando no silêncio da noite ouvia um barulho, sempre imaginara o meu tio deambulando semi-vivo pela casa. Porque no momento da morte, de acordo com a minha lógica irretorquível, não vi mais do que a sua metade.



Rafael Camarasa

(A tradução é minha, e eu sou o Tiago Nené, ok?)


PS: para mais material de Rafael Camarasa pernoitar na Casa dos Poetas.



3 comentários:

van disse...

:)

Anónimo disse...

Com este tipo de discurso, nunca imaginaria que era o Tiago a escrever!!! :D

Índia

van disse...

ah, obrigada Tiago, a tua tradução é uma honra para o Rafael. :D

[mas eu só pedi que Feos chegasse cá...]