Amor Vermelho - um poema de Tiago Nené



















AMOR VERMELHO


que não seja imortal, posto que é chama. mas que seja infinito enquanto dure
Vinicius de Moraes

.
[a uma pessoa proibida]
.
tenhamos talvez começado
para acabarmos, para voltarmos
ligeiramente ao mesmo ponto
de partida rápido e móvel
connosco prévios,
connosco olhando um para o outro
como um tempo que regressa
de um futuro vermelho
e infactuável.
tenhamos talvez começado
pela experiência e pela ciência,
para conhecermos mais uma saída,
para nela nos equilibrarmos,
escrevermos este poema
onde ambos somos
eterna e separadamente iguais.

Tiago Nené
in Proibições
(em preparação)

8 comentários:

mariab disse...

"eterna e separadamente iguais". belo, isso. beijos

Renata de Aragão Lopes disse...

a célebre frase de Vinicius

seguida de

uma duvidosa dedicatória [há pessoas realmente proibidas?]

seguida de

versos rubros, passionais...

gostei!

Texto-Al disse...

a proibição refere-se às condições. gosto de pensar que tudo começa por ser, nesse sentido, proibido. um ambiente perfeito é suspeito. vale pela experiencia, muitas vezes.

T.

Ana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Teresa Queiroz disse...

bonito... e se houver futuro ..é seguramente vermelho :)

Adriana Godoy disse...

Paixão, rompimento, retorno, sangue, vida. Belo poema. Beijo.

Gilmara disse...

Totalmente marcante...
Se é amor, tem de ser vermelho!
Mt especial este poema!
Bjos,

Gil :)

Anita Mendes disse...

o sentido dele é não fazer sentido.
beijos pra ti, Anita.