Hipocondria

Ar sem garganta.
Nariz inerte deserto.

Dissolvemos o açúcar em água quente como o
crematório dissolve corpos.
Pessoas-vapor voam pela chaminé
sem asas voam sem serem anjos (porque dos anjos nada se sabe;
eunucos não falam).

A inércia é detida pelo acto da ebulição,
pelo osso que agora é pó, pela boca que é tudo menos palavra,
que é ar,
que é breu,
que é chaminé,
que é voo. Que não é material humano.
Porque homem não voa senão na morte.
E já não sendo homem é natural,
sem roupa,
sem boca,
sem nada senão o pó de uma sala que se limpa
e se esquece.

somos
matéria com validade para a lembrança.
Souvenir que começa no falo e acaba na chaminé fálica.
Somos sacos que carregam tumores como quem carrega frutas em sacos.
Tísicos seres plásticos que crescem e se transformam em ar
de chaminé.

Adriano Narciso

6 comentários:

On The Rocks disse...

somos nada.

abs

Mikas disse...

Beijo e bom início de semana

Ana Paula disse...

Há um prémio Lemniscata para o Texto-Al, no blogue Fio de Ariadne.

Parabéns pelas interessantes publicações, sobretudo pela excelente poesia!

Ana Paula

Tchi disse...

O que somos, my God.

:)

Beijinhos.

Chris disse...

Surrealismo que fascina...
Bjs
Chris

mariab disse...

fascinante escrita!
beijos