Metropolitano - um poema de Tiago Nené














METROPOLITANO


[aos que sabem ouvir]

no metropolitano do ouvido
o ritmo da minha inconsciência:
os subúrbios do poema que são mais seguros,
o desperdiçar de sentimentos
nas complicações de uma velha
identidade, um método ludovico,
o centro de uma cidade que anda
sobre o seu congestionamento.
[uma nova carruagem chega
com destino ao braço esquerdo

e a uma acção simples].
creio que ouvir pode ser falar com o ouvido,
e falar com o ouvido pode ser devolver
totalmente esse sentido.
finalmente oiço o grito de munch,
é encorpado, com textura de sílex,
eternamente velho num ventre de silêncio,
e não enterra quaisquer lamentos.
[uma nova carruagem chega, sem destino].
fecho os meus olhos.

Tiago Nené
inédito

6 comentários:

Nátalin Guvea disse...

Aos que sabem sentir!

Michael disse...

original.

Ju disse...

Concordo..muito original!!

EDUARDO POISL disse...

De tudo ficaram três coisas...
A certeza de que estamos começando...
A certeza de que é preciso continuar...
A certeza de que podemos ser interrompidos
antes de terminar...
Façamos da interrupção um caminho novo...
Da queda, um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro!

Fernando Sabino

Hoje passei pra deixar um poema para refletir e desejar uma semana linda com muito amor e carinho.
Abraços.

Swadharma disse...

Peço desculpa pelo aparte, mas venho só informar que mudei de espaço =)

O Chizendo, por agora, está encerrado, e eu estou aqui:

http://a-place-like-home.blogspot.com/

Cumprimentos =)

Inês Leitão disse...

"(...)os subúrbios do poema são os mais seguros".





Obrigada, Tiago.