Fugidios

Os dedos fogem-me do teclado,
Chamam-me ridícula,
Atrapalham-se trôpegos na tarefa de chegar a ti.

Os dedos outrora inertes,
Agora vivos, agora meus,
Nossos.
De toda a gente.

Os dedos que não escrevem,
Mas é como se escrevessem.
Os dedos que não amam,
Mas são sempre tão naturais como quem ama.

Os dedos gastos de mentiras e cinismos profundos,
Os dedos fartos de sorrisos de plástico e corações de esferovite,
Os dedos a dizer,
- Gosto de ti.

Estes mesmos dedos que quiseram ligar-te agora mesmo para dizer:
- Tenho saudades tuas.
(Os dedos ridículos da segunda frase).

Isa Mestre

1 comentário:

celina vasques disse...

Mais uma vez aqui neste pedaço lendo cada um de seus escritos!
Passeando entre versos e palavras fantasticas!
Em qualquer um poderia deixar um crinho e dizer o quanto profundos!
Escolhi este texto maravilhoso!
Parabéns meus aplausos!
beijos meus!