[nunca sei que título dar aos poemas]


Cada poeta é ele próprio e por isso

tão iguais e tão diferentes

são os poetas.

Uns amam de longe os poemas,

como se os temessem;

outros beijam-nos na boca,

mas não os amam;

e outros ainda, nos poemas

apenas se amam a si mesmos.

Os poemas, por outro lado,

são como os espíritos:

existem no mundo,

mas não lhe pertencem;

e muito menos aos poetas

que os dizem seus.

Em vez de dizer

este poema é meu,

melhor seria dizer

este poema sou eu.

2 comentários:

Donnola disse...

gostei do "ensaio para um auto-retrato"

Angelina Sá disse...

os poemas existem para vivermos de forma intensa o estado de espírito em k nos encontramos...lindo!!!