Um poema de Paul Auster













FRAGMENTO DE FRIO


Porque cegamos
No dia que sai connosco,
E porque vimos a nossa nuvem
De respiração
Espelhar o ar,
O seu olho abrir-se-á
Para nada que não a palavra
À qual renunciamos: o inverno
Terá sido um lugar de
Crescimento.

Nós que nos tornamos os mortos
De uma outra vida que não esta.

Paul Auster
Tradução de Tiago Nené

6 comentários:

Erica Maria disse...

" O inverno terá sido um lugar de crescimento."

Adorei isso!

Lindo mesmo!

Bjos em teu coração viu?

Adriana Godoy disse...

Incrível.
"Nós que nos tornamos os mortos
De uma outra vida que não esta." Grande achado.beijo.

Clarinhaaa disse...

o inverno...

entre uma frase e outra, esfrego minhas mãos em busca de um calor.
a tentativa foi em vão, no caso das mãos.
Mas venho aqui e aqueço meu coração!

beijos quentes!
ops... com todo respeito e licença poética! rs

Nátalin Guvea disse...

Nós que nos tornamos mortos.

Bem bem isso.

Façamo-nos vivos!
tem alguem aí?

C. disse...

muito bom !

bruno sousa villar disse...

Este gajo é tão bom que me espanca.

Boa tradução