O semblante de um homem angustiado - de Adriano Narciso




O semblante de um homem angustiado é uma sala vazia com uma natureza morta no meio, em cima de um cavalete (as tintas ainda escorrem sobre a tela). O tecido dos sofás, de tão puído, cede a sua consistência ao próximo que se sentar. Mesas são tripés; as pernas soltas são lanças enfiadas em frigoríficos que expelem pelos poros improvisados tetrafluoroetano, que inunda a sala e a transforma num Alasca tóxico de emoções.

Adriano Narciso

4 comentários:

vasco disse...

Muito baconiano, o tríptico. De resto, gostei da toxicidade perfurante da solidão.

candida disse...

acabei de fumar um Bacon defumado em pó.

consegues entender o k acabei de escrever eheheh

BAR DO BARDO disse...

é o espaço da arte...

Pedro Rodrigues disse...

Gostei bastante, as impressões estão fabulosas. Abraço.