O Terramoto - um poema de Tiago Nené
















O TERRAMOTO


[a uma pessoa intemporal]

querida joana,
o terramoto apanhou pessoas que faziam amor,
pessoas que morriam de uma causa lenta e dolorosa,

pessoas que celebravam contratos com apertos de mão,

pessoas com instrumentos na terra fértil,

pessoas que faziam de conta,
pessoas sem relógio.
os que faziam amor perpetuaram-no,
os que morriam
viram a sua morte impedida
por uma colectiva e mais bem aceite,
os que celebravam contratos perderam as mãos coladas,

os que trabalhavam na terra fértil foram soterrados,
os que faziam de conta procuraram cumprir uma promessa,

os que não tinham relógio escaparam ao tempo.
meu amor, sermos egoístas é tentar impedir que as coisas mudem,
sermos intensos é não respeitar causas e efeitos,

espero-te no meu futuro, ainda que ele
não seja
o efeito directo de um presente que ainda treme muito.

Tiago Nené
in Polishop

(em preparação)

6 comentários:

Ju disse...

T,que força nestes versos!

AT disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
AT disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
alice disse...

o melhor terramoto é este, o das palavras. gostei muito de ler, tiago. um beijinho.

lupussignatus signatus disse...

de

terra

firme


[e fértil]

Sintilha disse...

esperas no teu futuro por alguém intemporal mas é assim, no presente, que nos alcanças