Esclarecimento número um, um poema de Isa Mestre

Pergunto-te:
Quem são eles?
E os teus olhos vidrados, perdidos, às vezes baços.

Algumas vezes falo-te de amor,
Outras de medo.
Perguntaste-me um dia se eram sinónimos,
E eu na minha linguística de desordem não soube que dizer-te.

Escrevo-te para esclarecer-te,
Para esclarecer-me.

Antes de ti, eu pensava que amor era apenas o amor,
A palavra,
O sentido que nos ensinam na escola e que demoramos toda uma vida a entender,
Depois, entendi que o amor eram todas as coisas,
que o amor era perder-me de tudo e encontrar-me apenas em ti,
perder-me do que sou e vir até aqui simplesmente para dizer-te :
Sim, o amor é também o medo.
O amor é sobretudo o medo.

Isa Mestre

3 comentários:

EDUARDO POISL disse...

O amor também é medo mais não tenha medo de amar.

A todos os ventos
eu peço coragem.
A cada estrela e estrada
Ao mar que não morre nunca
eu peço coragem.
E ao sol e à lua
E a todo o firmamento.
A cada pássaro
A cada pedra
A cada bicho da terra e do ar
Peço coragem a tudo o que vive agora
E ainda viverá
Coragem para cavalgar os dias
Navegar nas horas
E a cada minuto e segundo Sonhar.

(Roseana Murray)

Tenha um lindo final de semana com muito amor e carinho.
Abraços

Penso logo existo disse...

O amor é lindo... Sente-se no ar.
Medo? talvez, será que se vai perder ou vai-se sempre ganhar, gestos que comprendemos em cada palavra doce que nos dizem ao ouvido, que nos enche a alma, e por isso temos medo. Não isso é loucura... não devemos ter medo de amar de nos entregar de ficar dependentes, desse amor que tudo preenche.

O amor é como um rio, nada o detem.

Parabens gostei muito

MARCELO José de Araujo | DE MARCO disse...

Gostei do conteúdo e tomei a liberdade - em nome do intercâmbio - de ser um dos seguidores, aproveitando também a oportunidade para convidá-lo a conhecer o www.marcelodemarco.blogspot.com

Saudações literárias!