Diálogo com a tua ausência

Caminhavámos firme,
acertávamos sempre o passo.

Um pé e depois o outro.
Depois o teu e novamente o meu.

Hoje o que dói não é não acertarmos o passo,
é nem ter o teu para poder tentar acertar.

Isa Mestre

4 comentários:

Meg disse...

De uma simplicidade com mestria, para falar de desencontros em linguagem poética.
Abraço
Meg

platero disse...

coisa linda

beijinho

© Piedade Araújo Sol disse...

meu sinceros parabens à autora do poema.

está muito muito bom.

deixo um beij

Lisete de Silvio disse...

Nos bailes da vida os pares se fazem e se desfazem.

Muito lindo!

Abraço