Submersão - um poema de Tiago Nené
















SUBMERSÃO

[a uma pessoa demasiado especial para ser compreensível]


sem desatar o nó de cegueira
ou deixar cair o pano,
direi que a submersão
chegou ao ponto de nos acharmos
dois estranhos sem tacto
num dos milhares de pontos.de.vista
do fim, esperando a esperança
de um próximo começo.

Tiago Nené

inédito

Banda Sonora:
Beck - Everybody's Gotta Learn Sometimes

8 comentários:

Vinícius Paes disse...

Pura beleza em suas palavras Tiago

abraços.

Jaquelyne A. Costa disse...

Perfeito poema!
Fiquei sem palavras até...

Paula disse...

Um texto em que cabe muitas interpretações.
Parabéns
:)

alice disse...

... uma vez usei esta fotografia num blog que já não tenho, mas que ilustrou o primeiro poema do meu livro, que terminava quando um beijo se levanta nas suas duas pernas... gostei muito, tiago*

Marta disse...

O poema está fenomenal.....:))
Maravilhoso!
Também gostei muito da imagem!
=D

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz


(Charles Chaplin)

Desejo um lindo final de semana com muito amor e carinho.
Abraços Eduardo Poisl

Thiago Gonzaga disse...

Poema forte como uma rocha. Gostei bastante. Ótimo tbm o poema de Charles Chaplin, postado acima.
Abraços!

C. disse...

muito bom!